Após ser detonada por polêmica comparação, Eliane Cantanhêde é ridicularizada por Emílio Surita ao vivo na Jovem Pan ( Ver o vídeo )


Na tarde da última quinta-feira (16), o apresentador Emílio Surita abriu o "Programa Pânico" com uma série de ironias dirigidas à jornalista Eliane Cantanhêde, que recentemente se envolveu em uma controvérsia devido a uma comparação infeliz entre o roubo de suas joias e a tragédia ocorrida no Rio Grande do Sul. Surita, conhecido por seu estilo irreverente, não poupou críticas e usou o episódio para satirizar a situação.


“Eu fiquei comovido com essa senhora que perdeu as joias do Natal de 2023. Eu fiquei comovido com o depoimento dela. Ela não só perdeu as joias, mas perdeu no Natal de 2023. Impressionante!”, zombou Surita logo no início do programa. A provocação continuou: “Acho que deveríamos fazer uma campanha de doação para essa senhora. Vamos parar de focar na campanha pelo Rio Grande do Sul e direcionar nossos esforços para ajudar essa senhora que realmente merece”, ironizou o apresentador.


Na noite anterior, quarta-feira (15), Eliane Cantanhêde havia causado alvoroço nas redes sociais durante uma participação no programa “Em Pauta”, da GloboNews. Enquanto discutiam as visitas do presidente Lula às áreas afetadas pela tragédia no Rio Grande do Sul, Cantanhêde fez uma comparação considerada insensível. Ela mencionou a perda de suas joias durante o Natal de 2023, sugerindo uma equivalência emocional entre sua experiência pessoal e a devastação sofrida pelos gaúchos.


A repercussão foi imediata. Internautas criticaram a jornalista por sua falta de empatia e desconsideração pela gravidade da situação no Rio Grande do Sul. A tragédia havia resultado em perdas significativas, tanto em vidas quanto em danos materiais, e muitos consideraram a comparação de Cantanhêde inadequada e egoísta.


Emílio Surita, aproveitando a oportunidade, usou seu espaço no "Programa Pânico" para satirizar o comentário de Cantanhêde. Conhecido por seu humor ácido e críticas mordazes, Surita direcionou sua ironia à situação, sugerindo uma campanha de doação para a jornalista, como se suas joias fossem uma prioridade em meio a uma catástrofe de grandes proporções.


“É realmente de cortar o coração. Precisamos nos mobilizar, fazer algo por essa senhora. Afinal, perder joias no Natal de 2023 é algo que ninguém deveria enfrentar sozinho”, continuou o apresentador, em um tom claramente sarcástico. A audiência, acostumada ao estilo provocador de Surita, reagiu com risos e aplausos, ampliando a polêmica em torno do comentário de Cantanhêde.


As redes sociais, que já estavam fervilhando com críticas a Eliane Cantanhêde, foram novamente incendiadas após a exibição do "Programa Pânico". Muitos usuários apoiaram a postura de Emílio Surita, vendo em sua ironia uma forma de dar voz à indignação pública contra a comparação feita pela jornalista. Outros, no entanto, questionaram se a abordagem do apresentador não teria sido excessiva, alimentando ainda mais o debate.


A hashtag #CampanhaParaEliane rapidamente se tornou um dos assuntos mais comentados no Twitter, com memes e comentários divididos entre críticas e apoios a ambos os lados. A controvérsia mostrou-se um prato cheio para a audiência digital, sempre ávida por novos embates e discussões acaloradas.


Enquanto isso, a situação no Rio Grande do Sul continuava crítica. As chuvas intensas e enchentes haviam causado destruição em várias regiões, deixando inúmeras famílias desabrigadas e provocando a perda de vidas. A visita do presidente Lula às áreas afetadas visava oferecer apoio e recursos do governo federal para ajudar na reconstrução e assistência às vítimas.


A comparação feita por Eliane Cantanhêde destacou-se pela falta de sensibilidade em relação à gravidade dos eventos, evidenciando um descompasso entre a experiência pessoal de uma figura pública e o sofrimento coletivo de uma comunidade inteira. Esse descompasso foi justamente o ponto que Emílio Surita explorou em sua crítica mordaz.


Até o momento, Eliane Cantanhêde não havia se pronunciado oficialmente sobre a ironia de Emílio Surita. No entanto, a jornalista já havia enfrentado uma enxurrada de críticas desde a noite de quarta-feira, com muitos esperando um pedido de desculpas ou algum tipo de esclarecimento sobre sua declaração.


Este episódio levanta questões importantes sobre o papel da mídia e das figuras públicas em tempos de crise. A capacidade de se comunicar com empatia e consciência é crucial para evitar mal-entendidos e ferir sensibilidades em momentos delicados. Tanto o comentário inicial de Cantanhêde quanto a resposta irônica de Surita exemplificam os desafios e responsabilidades envolvidos na comunicação pública.


A polêmica envolvendo Eliane Cantanhêde e Emílio Surita serve como um lembrete das complexidades e responsabilidades que acompanham a comunicação em plataformas de grande alcance. Enquanto a ironia pode ser uma ferramenta poderosa para crítica e reflexão, é essencial que ela seja utilizada com cuidado e discernimento. A tragédia no Rio Grande do Sul continua a exigir atenção e apoio, destacando a necessidade de focar nos verdadeiros problemas que afetam a sociedade.


Em tempos de crise, a sensibilidade e a empatia são mais necessárias do que nunca, e figuras públicas têm um papel crucial em moldar a narrativa e as prioridades da opinião pública. O episódio do "Programa Pânico" é uma ilustração vívida das tensões e desafios que surgem quando essas responsabilidades não são plenamente consideradas.

Tags