Prisão de Moraes é negada e Pavinatto se revolta

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento à ação proposta pela família de Cleriston da Cunha contra o ministro Alexandre de Moraes, gerando uma reação intensa e revoltada do advogado Tiago Pavinatto, representante da família. A ação, que alegava abuso de autoridade, maus-tratos, tortura e prevaricação por parte de Moraes, foi descartada por Toffoli, que classificou as acusações como infundadas e panfletárias.


Cleriston da Cunha, conhecido como Clezão, foi detido em conexão com os eventos de 8 de janeiro e faleceu aos 46 anos no presídio da Papuda, em novembro de 2023, após passar mal. A família de Clezão argumentou que sua prisão deveria ter sido reavaliada e que ele apresentava problemas de saúde documentados em laudos médicos. Além disso, havia um parecer da Procuradoria-Geral da República favorável à sua soltura dois meses antes de sua morte, o que, segundo a ação, evidenciava uma omissão dolosa por parte de Moraes.


Dias Toffoli, ao proferir sua decisão, afirmou que a petição estava "amparada unicamente em ilações e acusações infundadas, com breves intersecções com a realidade e despida de fundamentação jurídica correlata aos fatos e provas". Ele descreveu a representação como "panfletária", sustentando que não havia elementos suficientes para prosseguir com a ação contra Moraes.


Tiago Pavinatto, em suas redes sociais, expressou indignação com a decisão de Toffoli, acusando-o de ignorar elementos essenciais da petição. Pavinatto destacou que, segundo a lei, a prisão preventiva deve ser reavaliada a cada 90 dias, conforme o artigo 316, parágrafo único, do Código de Processo Penal (CPP). Ele criticou Toffoli por justificar a falta de reavaliação com base em um entendimento do STF que permite a manutenção da prisão preventiva além desse prazo sem a necessidade de reavaliação automática.


"Ministro Dias Toffoli negou seguimento à ação penal contra o Ministro Alexandre. Ignorando elementos essenciais da petição, dentre os argumentos da sua decisão: 'quanto à alegação de que a prisão não teria sido reavaliada no prazo de 90 dias, o Plenário desta Corte, nos autos do Suspensão de Liminar 1.395, firmou entendimento no sentido de que a falta de reavaliação da prisão preventiva, a cada 90 dias, nos termos do artigo 316, parágrafo único, do CPP, não gera direito à revogação automática da prisão preventiva.' Automático? O que ele acaba de nos dizer é: a lei manda reavaliar a cada 90 dias, mas podem passar mais de 200 dias e, mesmo a defesa pedindo insistentemente, mesmo o MP dizendo que a preventiva não cabe mais, o Ministro tem o direito de não cumprir a lei", declarou Pavinatto.


A decisão de Toffoli e a subsequente reação de Pavinatto rapidamente se tornaram um tema amplamente discutido nas redes sociais, alimentando um debate acalorado sobre a aplicação das leis e a autonomia do Judiciário. Muitos apoiadores de Pavinatto e da família de Cleriston expressaram solidariedade, enquanto outros defenderam a decisão de Toffoli, argumentando que a ação carecia de provas substanciais e era motivada politicamente.


A morte de Cleriston da Cunha e a ação judicial subsequente também trouxeram à tona discussões sobre as condições carcerárias no Brasil e a saúde dos detentos. Críticos do sistema prisional brasileiro apontaram que a falta de cuidados médicos adequados e a superlotação são problemas crônicos que precisam ser abordados para evitar mais tragédias.


Enquanto isso, o ministro Alexandre de Moraes permanece uma figura central e controversa no STF, frequentemente envolvido em casos de alta relevância política. A decisão de Toffoli de proteger Moraes de uma ação judicial com acusações graves reforça a percepção de muitos sobre a solidariedade interna entre os ministros do Supremo, o que, para alguns críticos, pode minar a confiança pública na imparcialidade do tribunal.


Em um contexto mais amplo, a rejeição da ação contra Moraes ocorre em um momento de intensa polarização política no Brasil, onde decisões judiciais frequentemente se tornam pontos focais de debates acirrados. A continuidade dessas tensões jurídicas e políticas destaca a necessidade de reformas e diálogos mais profundos sobre justiça, direitos humanos e governança no país.


A decisão de Toffoli é, sem dúvida, um capítulo significativo nessa narrativa, refletindo as complexidades e os desafios enfrentados pelo sistema judicial brasileiro em tempos de crise e mudança. Enquanto a família de Cleriston busca justiça e resposta, a sociedade brasileira continua a observar atentamente os desdobramentos desse e de outros casos semelhantes.

Você pode ter resultados ou desculpas, mas não os dois. ��
© Política Online Brasil. Todos os direitos reservados. Premium By Jago Themes