Relatora da CPMI diz que há "fortes condições" para indiciar Bolsonaro


Relatora da CPMI Sinaliza "Fortes Condições" para Indiciar Bolsonaro após Depoimento de Hacker

A senadora Eliziane Gama (PSD-MA), relatora da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, fez declarações contundentes após o depoimento do hacker Walter Delgatti Neto à comissão. Ela avaliou que, com as informações fornecidas por Delgatti Neto, existem "fortes condições" para o indiciamento do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). As acusações feitas pelo hacker serão alvo de investigação pela comissão, e se confirmadas, o ex-presidente poderá ser indiciado.

No depoimento prestado à CPMI, Delgatti Neto revelou um esquema supostamente envolvendo a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) e Jair Bolsonaro para a modificação do código-fonte das urnas eletrônicas. Além disso, ele também alegou que o ex-presidente teria grampeado o celular do ministro Alexandre de Moraes. Essas acusações trouxeram um novo nível de complexidade às investigações em curso.

Eliziane Gama afirmou: "Hoje, os elementos apresentados nesta comissão nos dão fortes condições de, ao final, termos um indiciamento do ex-presidente Bolsonaro." Ela ressaltou a importância de compatibilizar as informações trazidas por Delgatti Neto com as quebras de sigilo que estão sendo defendidas, incluindo a quebra de sigilo de relatórios do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e outras quebras telemáticas.

A senadora expressou confiança na seriedade das investigações e na busca pela verdade. "Sendo confirmadas as informações de hoje, não há dúvida nenhuma que partiremos para esses indiciamentos. Mas precisamos aguardar esses dados que chegarão na CPMI", completou. As implicações das acusações são significativas, potencialmente afetando a imagem do ex-presidente e reverberando pelo cenário político.

Eliziane Gama também anunciou sua intenção de encaminhar novas solicitações de quebras de sigilo ao presidente da Câmara, Arthur Maia (União-BA), a fim de viabilizar a confirmação das informações fornecidas por Delgatti Neto. Ela planeja discutir essas solicitações com Maia na próxima semana, visando a aprovação dos requerimentos de quebra telemática das pessoas citadas no depoimento.

O depoimento do hacker trouxe à tona uma série de questionamentos sobre a segurança das urnas eletrônicas, a integridade das eleições e as práticas políticas. As alegações de um esquema para modificar o código-fonte das urnas e a acusação de grampo no celular de um ministro do Supremo Tribunal Federal intensificam ainda mais a complexidade das investigações, alimentando debates sobre transparência, ética e responsabilidade.

Enquanto a CPMI do 8 de Janeiro prossegue em suas investigações, a repercussão das declarações de Delgatti Neto e das declarações da relatora Eliziane Gama demonstra a importância de se esclarecer a verdade por trás dessas acusações, assegurando a confiança do público nas instituições e no processo investigativo.

Tags