Alta cúpula do PT aponta que Dino “falou demais e não mostrou resultado”, diz Estadão


Presidente Lula enfrenta pressão crescente sobre segurança pública e futuro de Ministro Flávio Dino

Uma sombra de incerteza paira sobre a gestão da segurança pública no Brasil, e o presidente Lula está sentindo a pressão. Os nove meses iniciais de seu governo viram um aumento constante na preocupação com a violência urbana, com foco particular na Bahia, tradicional reduto governado pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

A insatisfação entre membros influentes do PT com o desempenho do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, é evidente. Um alto integrante do partido afirmou que Dino "falou demais e a respeito de tudo no começo, mas não mostrou resultado". Os projetos em andamento, incluindo o Programa Nacional de Segurança nas Escolas (Pronasci), deixaram a desejar, gerando críticas e levantando preocupações sobre a falta de uma estratégia nacional coesa.

Enquanto as críticas crescem, as discussões sobre o futuro de Flávio Dino tomam forma. Seu nome está ganhando força como um possível candidato ao Supremo Tribunal Federal (STF), com apoio de figuras influentes como os ministros Gilmar Mendes e Alexandre de Moraes. No entanto, essa mudança não é unanimemente aceita dentro do PT, onde Dino é percebido por alguns como um adversário, considerando seu histórico no Maranhão.

Surge a especulação de que mover Dino para o STF poderia abrir caminho para futuras aspirações eleitorais de outros membros proeminentes do PT, eliminando um possível concorrente do cenário político. Enquanto o país enfrenta desafios complexos na área de segurança pública, a política interna do PT também está em foco, com o presidente Lula enfrentando uma decisão crucial sobre o destino de seu ministro e os rumos da segurança no Brasil.

Tags