Bolsonaro questiona julgamento no STF e compara com tratamento dado a Lula na primeira instância


Ex-presidente Bolsonaro descarta prioridade em retorno à presidência e comenta especulações sobre prisão

Em entrevista exclusiva ao jornal Folha de S.Paulo, o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) surpreendeu ao descartar qualquer prioridade em seu retorno à presidência do Brasil. Ele ressaltou que sua inabilitação para concorrer nos próximos oito anos, imposta pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), não está entre suas principais preocupações, declarando: "Eu não penso nisso. Não é prioridade minha. Mas nós criamos sementes pelo Brasil."

Apesar de considerar "muito difícil" um eventual retorno ao cargo presidencial, Bolsonaro destacou seu compromisso em aprimorar sua atuação, afirmando que, se isso acontecer, "saberá como se conduzir melhor, sem a inexperiência."

O ex-presidente também abordou as especulações em torno de uma possível prisão, assegurando que, sob seu ponto de vista, não existem fundamentos legais para tal medida. Ele afirmou: "Dentro da lei, não vislumbro isso para mim. Eu não estou obstruindo as investigações, não estou conversando com quem [outros investigados] tem medidas cautelares, não estou buscando combinar nada com ninguém, tá certo?"

Bolsonaro manifestou seu descontentamento com o fato de seu caso estar sendo julgado no Supremo Tribunal Federal (STF), em vez da primeira instância judicial. Ele argumentou que essa situação restringe suas opções de recurso e criticou: "Agora, nós reclamamos porque o nosso processo deveria estar correndo na primeira instância [da Justiça], como aconteceu com o Lula e com todos os que já tiveram problema. Todos. E isso não está sendo respeitado. Por que eu estou [sendo julgado] no Supremo Tribunal Federal? Porque ali não cabe recurso para mim."