Mais cautelosa, Globo não vai exibir série LGBTQIA+ para não incomodar religiosos

 Recentemente, a emissora de televisão Globo se viu envolvida em uma controvérsia após tomar uma decisão editorial relacionada a uma série LGBTQIA+. Segundo informações da "Folha de São Paulo", a emissora optou por não exibir um episódio da série durante o dia de um feriado cristão, o Corpus Christi, com o objetivo de evitar possíveis problemas com religiosos. Esta decisão levantou debates sobre liberdade de expressão, sensibilidade religiosa e representatividade LGBTQIA+.


A série em questão é uma produção especial da Globo que aborda a relação da comunidade LGBTQIA+ com São Paulo, centrada na história da Parada LGBTQIA+ na Avenida Paulista. Com três episódios já editados e previsão de quatro ou cinco exibições dentro do telejornal vespertino "SP1", a série foi produzida pelo repórter Romulo D’ávila, membro da comunidade LGBTQIA+.


O episódio em questão não será transmitido durante o feriado de Corpus Christi, um dia importante para os cristãos, devido à preocupação da emissora em evitar possíveis atritos com o público conservador, especialmente após a Marcha Para Jesus, evento organizado pela Igreja Renascer em Cristo, liderada pelo pastor Estevam Hernandes. Esta escolha editorial da Globo foi motivada pela intenção de não gerar críticas ou reclamações, especialmente por parte de evangélicos.


A decisão da Globo de não exibir o episódio foi justificada pela direção de jornalismo da emissora em São Paulo como uma escolha editorial para priorizar a cobertura da "Marcha Para Jesus", negando qualquer ligação religiosa direta com a decisão. No entanto, esta decisão não foi bem recebida pela equipe responsável pela produção da série, que manifestou sua insatisfação com a medida.


O EM OFF tentou obter um posicionamento da Globo sobre o assunto, mas até o fechamento desta matéria, não obteve resposta por parte da emissora.


Esta decisão da Globo levanta questões sobre a liberdade de expressão e a necessidade de respeitar diferentes perspectivas religiosas e identidades de gênero. Enquanto alguns apoiam a decisão da emissora como uma forma de evitar conflitos e respeitar a sensibilidade religiosa, outros criticam a medida como uma forma de censura e falta de apoio à comunidade LGBTQIA+.


A decisão da Globo também ressalta os desafios enfrentados pela mídia ao lidar com questões sensíveis, como religião e orientação sexual, em um contexto social polarizado. A emissora busca equilibrar a diversidade de opiniões e perspectivas, ao mesmo tempo em que tenta evitar controvérsias e conflitos desnecessários.


Este incidente destaca a importância do diálogo e do respeito mútuo na sociedade, especialmente quando se trata de questões tão complexas e delicadas como a representação da comunidade LGBTQIA+ e as crenças religiosas. A discussão sobre a decisão da Globo continuará a despertar reflexões sobre o papel da mídia na promoção da diversidade e inclusão, bem como sobre os limites da liberdade de expressão em um contexto cultural diversificado e plural.

Tags