Com maestria, Bolsonaro aplica lição desmoralizante na "lacração"

Em um movimento que surpreendeu tanto seus apoiadores quanto seus críticos, o ex-presidente Jair Bolsonaro fez uma publicação impactante em suas redes sociais na tarde desta terça-feira, 4 de junho de 2024. Conhecido por suas opiniões controversas e políticas polarizadoras, Bolsonaro desta vez recorreu a um texto poético para abordar a crise ambiental na Amazônia. A publicação, intitulada "Canção Pra Amazônia", é uma coletânea de versos assinados por diversos artistas brasileiros de renome, incluindo Nando Reis, Gilberto Gil e Milton Nascimento, entre outros.


A postagem, que rapidamente viralizou, mescla uma reflexão crítica sobre a devastação ambiental na maior floresta tropical do mundo com apelos emocionantes à proteção da Amazônia. A mensagem parece um contraste marcante com a postura usual de Bolsonaro em relação à política ambiental durante seu mandato, quando frequentemente minimizava as preocupações com o desmatamento e incentivava atividades econômicas na região.


#### A Canção Pra Amazônia: Um Chamado Poético


O texto publicado por Bolsonaro começa com versos de Nando Reis, destacando a constante ameaça que a Amazônia enfrenta por parte de atividades como desmatamento e exploração mineral. A partir daí, uma série de artistas de diferentes gêneros musicais e regiões do Brasil contribuem com estrofes que amplificam a gravidade da situação e a urgência de medidas de proteção. 


Os versos de Nando Reis e Diogo Nogueira, por exemplo, denunciam a insensibilidade de certos setores da sociedade em relação à beleza e ao valor da floresta. Eles apontam para a ignorância deliberada de quem permite que a devastação continue apesar dos apelos globais.


Na sequência, Anavitória, IZA e Gal Costa lamentam a extensão da destruição e o impacto não apenas na flora e fauna, mas também nas almas das pessoas que dependem da floresta. Criolo e Xande dos Pilares criticam a política de favorecimento a atividades econômicas que incentivam a destruição ambiental, enquanto Arnaldo Antunes enfatiza a ignorância e a repugnância que acompanham a destruição da Amazônia.


#### A Mensagem de Resistência


A partir do meio do poema, a mensagem se torna ainda mais incisiva. Gilberto Gil, Milton Nascimento e outros artistas destacam a pressão sobre os povos indígenas, reconhecidos como os verdadeiros guardiões da floresta. Eles relatam as constantes ameaças às suas terras e modos de vida por parte de interesses econômicos poderosos.


Versos de Rincon Sapiência e Gaby Amarantos expressam a revolta contra os danos causados por madeireiros, garimpeiros e grileiros. Os versos de Samuel Rosa e Real, por outro lado, ressaltam a importância ecológica da Amazônia, como a “fábrica de chuva” e o “coração pulsante do planeta”.


Péricles e Camila Pitanga, juntamente com Daniela Mercury, questionam como é possível que na floresta mais chuvosa do mundo os incêndios avancem com tanta intensidade, queimando o futuro de todos.


#### O Impacto da Publicação


A publicação, que encerra com um apelo de todos os artistas para que a Amazônia seja salva, ecoa a urgência de uma ação imediata para evitar um ponto sem retorno. A publicação não apenas chamou atenção pelo conteúdo, mas também pelo fato de ter sido compartilhada por Bolsonaro, uma figura frequentemente criticada por ambientalistas durante seu governo.


Reações nas redes sociais foram diversas. Apoiadores de Bolsonaro elogiaram a sensibilidade do ex-presidente em abordar um tema tão crucial, enquanto críticos questionaram a autenticidade do gesto, considerando o histórico de sua administração em relação às políticas ambientais.


Independentemente das motivações por trás da publicação, o impacto foi inegável. Com milhares de compartilhamentos e comentários em poucas horas, a “Canção Pra Amazônia” trouxe a questão da preservação ambiental para o centro das atenções, provocando debates fervorosos nas redes sociais e na mídia tradicional.


Bolsonaro, que frequentemente usa suas redes para se comunicar diretamente com seus seguidores, conseguiu mais uma vez capturar a atenção nacional, desta vez com uma mensagem que muitos esperariam ouvir de ativistas ambientais, mas que ganhou um peso diferente vindo de uma figura política tão polarizadora.


A repercussão desta publicação ainda está por se desenrolar, mas já se tornou claro que a Amazônia, uma vez mais, está no centro das atenções, e a urgência de sua preservação não pode ser ignorada.

Tags