“Lula irá parar na cadeia”, afirma Ciro Gomes durante palestra em Portugal


Após um longo período de silêncio desde sua derrota nas últimas eleições presidenciais, Ciro Gomes (PDT) voltou a fazer críticas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante uma palestra na Universidade de Lisboa, nesta sexta-feira (12), o ex-ministro da Fazenda e ex-governador do Ceará foi categórico ao afirmar que a corrupção continua presente no governo, sustentada pelas Emendas parlamentares. Segundo ele, a Companhia do Vale do Rio São Francisco (Codevaf) está destinando recursos para obras superfaturadas no Amapá sem que o governo atual tome medidas para combater as irregularidades.

Ciro destacou que o Brasil não aprendeu com seus erros e ressaltou que Lula não quis promover mudanças, pois não possui compromisso com a transformação do país. Ele ainda criticou o modelo econômico adotado no Brasil desde a ditadura militar, que resultou em uma grande desigualdade social. Na visão dele, foi nesse contexto de desigualdade que Bolsonaro ganhou força e chegou à presidência.

O ex-ministro alertou para o risco de o fracasso do atual governo fortalecer uma “direita caricata” difícil de ser combatida, semelhante a Bolsonaro. Ele também criticou o acordo fechado pelo Palácio do Planalto em relação às reeleições de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (PSD-MG) para as presidências da Câmara e do Senado, respectivamente. Ciro apontou que a lógica do Orçamento secreto continua presente e não pode ser vista como uma estratégia inteligente para garantir a governabilidade.

Em relação ao modelo econômico, Ciro comparou Lula e Bolsonaro, afirmando que ambos seguiram o mesmo padrão com políticas como teto de gastos, superávit primário, meta de inflação, câmbio flutuante e autonomia do Banco Central. Ele também criticou o atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, por estar “nas mãos dos banqueiros”.

Apesar das críticas, Ciro manifestou disposição em contribuir com o debate e com seu partido no campo ideológico, mas descartou concorrer novamente à Presidência. Ele enfatizou que continuará militando, mas que optou pelo silêncio após as eleições para se desintoxicar e refletir sobre os acontecimentos.

Tags