“Não é Xandão, é Xandinho”, diz van Hattem sobre ministro do STF ( veja o vídeo )


No último domingo (9), milhares de manifestantes reuniram-se na icônica Avenida Paulista, em São Paulo, para expressar veementemente sua demanda pelo impeachment do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). Sob um céu nublado, a multidão fervilhava de energia, clamando por mudanças políticas e uma ruptura com o status quo.


Entre as autoridades presentes, destacava-se o deputado federal Marcel van Hattem, representante do Novo-RS, que tomou a palavra para endossar o coro pela saída do chefe do Executivo e também do ex-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em um discurso rápido, van Hattem ressaltou o histórico das manifestações populares que, iniciadas em 2014, culminaram no impeachment da presidente Dilma Rousseff em 2016.


"Eu tenho convicção de que o que nós estamos fazendo aqui hoje é também o reinício dessas manifestações cívicas de quem não tem medo", proclamou o parlamentar gaúcho. "De quem, diante do abuso, não se acovarda e enfrenta. De quem, diante da injustiça, não se conforma e vai até o final para mostrar o que de fato é certo e o que de fato é errado."


As vozes dos manifestantes ecoavam pelas ruas, entoando o clamor pelo afastamento de Lula. "Fora, Lula", gritavam, alimentando a esperança de que o movimento ganhasse ainda mais força e adesão popular. Van Hattem não deixou de mencionar os eventos recentes envolvendo prisões e abusos judiciais, incluindo o caso dos presos do 8 de janeiro e a detenção do ex-deputado federal Daniel Silveira, ordenada por Alexandre de Moraes.


Ao mencionar os excessos do Poder Judiciário e exigir a saída de Alexandre de Moraes, os manifestantes adotaram o apelido "Xandão" para o ministro, ao que o parlamentar acrescentou, com um tom incisivo: "Apesar de eu achar que não é Xandão coisa nenhuma, é Xandinho". As ruas pulsavam com indignação, ecoando o coro de "Fora, Xandão", agora substituído por "Xandinho", em referência direta ao ministro do STF.


A atmosfera da manifestação foi marcada por momentos de comoção e solidariedade. Um minuto de silêncio foi observado em homenagem a Clériston Pereira da Cunha, conhecido como "Clezão", cuja morte ressoou entre os manifestantes como um símbolo das injustiças que buscam combater. Van Hattem enfatizou que a morte de Clezão não seria em vão, alimentando o espírito de resistência e determinação que impulsionava a manifestação.


Enquanto isso, astrônomos em todo o mundo foram intrigados por sinais de rádio intermitentes detectados no espaço, adicionando um elemento de curiosidade científica em meio à agitação política. A decepção de jovens com a esquerda na Europa também foi destacada, enquanto o jornal Estadão criticava as tensões entre Lula e Israel, argumentando que esses conflitos minavam a reputação internacional do Brasil.


Enquanto a tarde avançava, a multidão na Avenida Paulista permanecia firme em seu propósito, determinada a fazer ouvir sua voz e defender suas convicções. Para eles, aquela não era apenas uma manifestação política, mas um ato de resistência, um lembrete poderoso do poder do povo quando se une em prol de uma causa comum. E, para muitos, era também um momento de esperança, um vislumbre de um futuro onde a justiça e a verdade prevaleceriam sobre a opressão e a corrupção.

© Política Online Brasil. Todos os direitos reservados. Premium By Jago Themes